sábado, 25 de dezembro de 2010

Não sei se é da época, mas...

Ando uma pinga amor e adoro sentir-me assim. Parece que apesar de tudo, voltei a acreditar naquele amor estúpido, ridículo, profundo e incondicional que nos faz querer mudar tudo, fazer tudo, ser melhor em tudo. Não falo só do amor romântico, mas também da amizade e da cumplicidade por todas as pessoas especiais que me rodeiam.
E se isto está completamente em desuso, demodé, se são apenas clichés para uma grande parte de pessoas que não têm a coragem para seguir o coração, então eu quero ser uma excepção e viver as emoções que tiver de viver sem condições, rodeios ou receios. No final de tudo, é só isso que importa.
E agora entendo, quando se diz que o amor começa dentro de nós e não fora. Isto é uma condição, independentemente de quem temos à nossa frente no momento.

Because babe, I am madly, deeply, truly, passionately in love with you!

4 comentários:

Gonçalo disse...

O essencial é a experiência, os resultados aparecerão naturalmente...

Continua a viver assim :)

vitor cunha disse...

Raquel,adoro a tua expontaneidade.A forma dura,mesmo cruel como destróis clichés, consegue munir-te
de uma ausência de preconceito que me faz acreditar que tu queres, podes e consegues.Abençoada(o) o dono de tal vontade,porque dela(e)poderão nascer grandes conquistas.
Um beijinho e votos para que continues a crescer assim.

Raquel disse...

Vitor, que lindas palavras, obrigada! Mesmo! Tem sido uma jornada e tanto livrar-me de clichés, crenças e medos. Mas tem valido muito a pena!

Beijinhos grandes!

Raquel disse...

Gonçalo, obrigada! :)