terça-feira, 11 de maio de 2010

Alguém sabe?

Tenho visto tantos relacionamentos ruírem tal qual castelo de cartas, à minha volta, que me leva a pensar porque é que o meu avô diz tantas vezes: só se casa quem é burro. Claro que diz isto em tom de brincadeira, mas será que tem razão?
Na minha visão meia espiritualista da coisa, acho que as pessoas estão juntas por um motivo e durante o tempo que for necessário para que ambas aprendam alguma coisa uma com a outra. Sejam 5 dias ou 15 anos. Depois, a vida encarrega-se de mostrar (uma e outra e outra vez até entendermos e aqui sim, somos todos um bocadinho lerdos) que aquilo já não faz sentido e que chegou a hora de aprender outras coisas, com outras pessoas. É hora de libertar do passado e partir para outro lado. É uma visão simplista (e como eu amo as coisas simples da vida), eu sei, mas neste momento é a que me faz sentido por tudo o que vivi e por tudo o que tenho visto.
Mas e agora fica a questão principal: o que faz uma relação perder todo o interesse, paixão e entusiasmo e manter-se como um (quase) acordo entre cavalheiros do género de estamos-juntos-mas-na-realidade-já-nem-nos-suportamos-mas-enquanto-nenhum-dos-dois-sabe-bem-o-que-fazer-eu-não-te-chateio-e-tu-não-me-chateias-a-mim.?

6 comentários:

CF disse...

Pois, toda a razão. Só um aparte. Isso não é assim tão simples... Sorrisos para ti

izzie disse...

Adorei - para além de concordar, claro! :)

Beijinho,

Signora S. disse...

Acho que há algumas coisas que nao se explicam racionalmente, e por vezes, simplesmente o "interesse" desaparece.... Mas acho que quando se chega a esse ponto, foi porque nenhum dos dois fez nada para o evitar.
Acho que a resposta mais correcta à tua pergunta é: quando deixamos de tentar fazer o outro feliz! afinal de contas essa deve ser a máxima do amor, "fazer o outro feliz". Quando já nao temos vontade de o fazer, tudo se vai tornando monótono, impaciente e frio.

Beijinho

ana disse...

hummm, mt bem dito!
mas sim, eu acredito que, ainda assim, se deve tentar mais uma vez recuperar o interesse... e outra... e outra... pelo menos não desistir logo ao primeiro impasse, ao primeiro problema... pq a vida é cheia deles e isso não implica necessariamente que o fim das relações se dê levianamente... agora tenho pensado numa coisa: que por vezes, pequenos "afastamentos" podem ajudar... atenção, sem entrar aí nenhum 3º elemento... apenas para se voltar a sentir saudade e viver coisas diferentes... até pq a saudade tb tem de fazer parte... ou então fazer como Sartre e viver em casas diferentes!!!
hummm, n sei mm! mas se souberes, manda a dica!!! beijittooooo!!! :)

Raquel disse...

Eu também não sei! :S
Limito-me a analisar o que vejo.

Beijinhos

o rapaz da laranja disse...

talvez a Vida se esforce tanta vezes para nos levar pelo melhor caminho mas nós insistimos na teimosia de ficar...

mas que sei eu disto... sou apenas um rapaz

bom blog, bom!