terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Não há coincidências

Acredito que as coincidências são sinais que nos guiam.
Quando algo insiste na minha vida, eu páro para me colocar só como observadora e tento não julgar e nem arranjar desculpas. Eu disse tento, não disse que é isso que faço.
Ás vezes são sinais que me mandam avançar, outros que me mandam parar e outros que me mandam mudar de rumo. Estes últimos deixam-me baralhada e insegura, porque me obrigam a sair da minha zona de conforto. Fico um pouco à toa com dilemas, como qualquer pessoa, penso eu.
Acho que não vou pensar muito e lembrar-me que o que tem de ser, tem muita força e o universo conspira para que aconteça.

1 comentário:

Vânia disse...

O universo conspira para acontecer! Mesmo, porque a vida resolve-se sozinha, existe sempre uma boa razão para estarmos a viver o que vivemos no momento ;)